Marina Silva declara apoio à intervenção no Rio de Janeiro

Pré-candidata à presidência da República, a ex-senadora Marina Silva (Rede-AC) divulgou na noite de sexta-feira (16), em suas redes sociais, uma nota em que declara apoio ao decreto de Michel Temer que instaura a intervenção militar na Segurança Pública do Rio de Janeiro.

Para Marina, a intervenção se faz necessária diante da ” incapacidade do governo estadual do Rio de enfrentar as milícias, o crime organizado e a escalada da violência”.

Já senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), correligionário de Marina, chegou a dizer em seu perfil no Twitter que “o decreto de intervenção federal no Rio, no fundo, é uma manobra diversionista do Governo Temer pra desviar o foco do fracasso na votação da Reforma da Previdência”. Na sequência, no entanto, encampou um discurso diferente em outro tweet: “Votarei favoravelmente ao decreto, em decorrência da situação de calamidade no RJ. Mas é importante que o Congresso acompanhe de perto a evolução dessa intervenção, para que não se torne pretexto para suprimir o regime democrático e encetar uma ruptura autoritária”.

Abaixo, confira a íntegra da nota de Marina sobre o assunto.

“O decreto de intervenção do presidente Michel Temer é uma medida extrema para lidar com a situação grave de segurança pública no estado do Rio de Janeiro.

A incapacidade do governo estadual do Rio de enfrentar as milícias, o crime organizado e a escalada da violência, que tem ceifado e ameaçado a vida da população, é uma realidade que também aflige outras regiões do país.

A crise política e administrativa no estado agrava ainda mais a situação.

Essa medida imediata de intervenção reflete também a inação de sucessivos governos federais que negligenciaram a pauta da segurança pública deixando apenas para os estados a responsabilidade de enfrentar um problema complexo, que deveria ser tratado de maneira nacionalizada e integrada entre os entes federativos para promover ações mais efetivas e duradouras.

No âmbito de uma federação democrática, a medida mais traumática é a intervenção federal. Só espero que esta tenha sido precedida do mais responsável planejamento, para que a respectiva execução, de fato, traga a devida proteção e amparo à sofrida população do Rio, em lugar de aumentar suas agruras.”

Para Marina Silva, governo aumenta imposto para comprar voto na Câmara

Em entrevista ao jornalista Roberto D´Avila, da GloboNews, a ex-senadora Marina Silva (Rede, confira biografia Marina silva) afirmou, na noite desta quarta-feira, que o governo tira dinheiro do contribuinte, ao aumentar o imposto sobre combustíveis, para comprar votos de deputados e tentar barrar a denúncia contra Michel Temer por corrupção passiva.

— Tira com uma mão para comprar votos de parlamentares na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e faz com que o contribuinte tenha que pagar o preço com o aumento do combustível — disse ela.

Para Marina, uma das formas de “aliciamento” é por meio da liberação de emendas parlamentares:

— As pessoas compõem o governo distribuindo pedaços do Estado. Faz a maioria no Congresso com aliciamento de votos, como está fazendo agora o presidente Temer, para ter maioria para se manter no poder, juntamente com seus ministros investigados, escondidos atrás do foro privilegiado, com distribuição de emendas.

A ex-senadora sugeriu ainda que o governo está sabotando a operação Lava-Jato ao fazer cortes no orçamento do Ministério da Justiça:

— Como é que a Polícia Federal sofre os cortes que está sofrendo, e o Ministério da Justiça, quando uma das coisas mais importantes que está acontecendo é o trabalho da Operação Lava-Jato? Às vezes chega a se pensar que está acontecendo uma sabotagem.

Ex-ministra do Meio Ambiente no governo Lula, ela criticou o que considera retrocessos ambientais da gestão Temer.

CLIQUE e confira a pesquisa para presidente marina silva 2018.

— Quem invadiu terra ilegalmente na Amazônia está recebendo as dádivas do governo, inclusive para votar a favor dele (na apreciação da denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República) — afirmou a ex-senadora, em referência à bancada ruralista.

Perguntada se disputará novamente a Presidência da República no ano que vem, Marina disse que ainda não decidiu:

— Eu ainda estou fazendo meu discernimento e isso é a verdade.

# eleições gerais 2018 do brasil

Marina Silva biografia

Conheça a trajetória de Marina Silva

Filha de família pobre, Maria Osmarina Marina Silva de Lima nasceu em 8 de fevereiro de 1958 em uma casa sobre palafitas localizada em Seringal Bagaço, no Acre. Seus pais, Pedro Augusto e Maria Augusta da Silva, eram seringueiros e tiveram 11 filhos, dos quais 8 sobreviveram. Chegou a passar fome e, aos 16 anos, mudou-se para Rio Branco (AC), onde foi alfabetizada pelo Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização); pouco depois, teve na função de empregada doméstica seu primeiro emprego.

Ainda jovem, foi aspirante a freira em um convento da capital acriana. Participou das CEBs (Comunidades Eclesiais de Base) e, em 1981, ingressou no curso de História da Universidade Federal do Acre, onde entrou em contato com os ideais marxistas e aproximou-se do PRC (Partido Revolucionário Comunista), à época abrigado dentro do PT (Partido dos Trabalhadores).

Em 1994, candidatou-se ao Senado, tornando-se, aos 36 anos, a senadora mais jovem da história da República. Reelegeu-se em 2002, com votação quase três vezes maior que a anterior.

Em 2003, assumiu o Ministério do Meio Ambiente do governo Lula, posto que lhe assegurou reconhecimento internacional e popularidade interna. Em sua gestão, conseguiu diminuir o desmatamento na Amazônia em 60% entre 2004 e 2007, segundo a Sophie Foundation, que a premiou em US$ 100 mil por seus esforços em defesa da floresta.

Em 2007, Marina foi agraciada com o prêmio “Champions of the Earth”, da ONU (Organização das Nações Unidas), por sua luta pela conservação da Amazônia. No mesmo ano, o jornal britânico The Guardian apontou a senadora como uma das “50 pessoas que podem ajudar a salvar o planeta”.

Permaneceu no cargo até maio de 2008, quando se desligou do cargo após atritos com ministérios ligados às áreas de infraesturtura e desenvolvimento. Em 2009, Marina saiu do PT alegando falta de sustentação política para seus projetos. Filiou-se ao PV em agosto do mesmo ano. Evangélica, Marina atualmente frequenta a Assembleia de Deus; é casada com Fábio Vaz de Lima e tem quatro filhos.

Marina Silva é candidata à Presidência da República pelo PSB.

Natural da capital Rio Branco, no Acre, Maria Osmarina Marina da Silva Vaz de Lima nasceu em 1958 e passou a infância e parte da adolescência no Seringal Bagaço, a 70 quilômetros de distância de Rio Branco, para onde se mudou apenas aos 15 anos de idade. Marina só foi alfabetizada aos 16 anos, e ainda conseguiu se formar em História pela Universidade Federal do Acre aos 26 anos. Além da licenciatura, é pós-graduada em Teoria Psicanalítica pela Universidade de Brasília e em Psicopedagogia pela Universidade Católica de Brasília.

Sua vida política começou ao lado de Chico Mendes, através da luta pela preservação da floresta e aos que habitavam os seringais. Em meados da década de 1980 participou da fundação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Acre e filiada ao PT, concorreu pela primeira vez a um cargo público em 1986 como Deputada Federal, mas não alcançou a vitória. Dois anos depois conseguiu ser eleita a Vereadora mais votada de Rio Branco.

Em 1990 alcançou uma vaga na Assembleia Legislativa e quatro anos depois chegou ao Senado, como a mais jovem da história a conseguir o cargo, sendo reeleita por mais um mandato. Em 2003 foi nomeada ao cargo de Ministra do Meio Ambiente, permanecendo até 2008. Um ano depois saiu do PT, e em 2010 foi candidata à Presidência da República como militante do PV, chegando ao terceiro lugar com 19.636.359 votos, o equivalente a 19,33%.

Saiu do PV em 2011, com a intenção de criar um novo partido, o Rede Sustentabilidade, que foi lançado dois anos depois, mas não conseguiu o número de assinaturas suficientes exigido pela Justiça Eleitoral para ser aprovado para as Eleições de 2014. Com esta questão, alguns integrantes do Rede Sustentabilidade migraram, junto a Marina, para o PSB.

Cargos Exercidos

Em 1988 foi eleita Vereadora de Rio Branco (AC).
Foi eleita Deputada Estadual do Acre em 1990.
Em 1994 foi eleita Senadora do Acre e reeleita em 2002.
Foi nomeada Ministra do Meio Ambiente em 2003, permanecendo até 2008.
Dados de Marina Silva

Nome: Maria Osmarina Marina da Silva Vaz de Lima
Idade: 59 anos (08/02/1958)
Naturalidade: AC – Rio Branco
Estado Civil: Casado(a)
Ocupação: Historiador
Escolaridade: Superior completo

Candidata a Presidente Marina Silva 40

Número: 40
Nome para urna: Marina Silva
Cargo a que concorre: Presidente
Partido: Partido Socialista Brasileiro
Coligação: UNIDOS PELO BRASIL (PHS / PRP / PPS / PPL / PSB / PSL)

Leia a Marina Silva biografia.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votes, average: 5,00 out of 5)
Loading...